UINL divulga Conclusões do 28º Congresso Internacional de Paris – Tema 1: O notário como terceiro de confiança




União Internacional do Notariado
28º Congresso Internacional do Notariado
Paris, França
19-22 de outubro de 2016

TEMA I
O notário como terceiro de confiança

(O notário como terceiro de confiança dos cidadãos, das empresas e do Estado: fundamentos jurídicos, econômicos e sociais)

CONCLUSÕES
RECOMENDAÇÕES PARA AS CÂMARAS NACIONAIS E OS CONSELHOS NACIONAIS DOS NOTARIADOS MEMBROS DA UINL

1. Que para assegurar a segurança jurídica de um contrato importante, os cidadãos e as empresas, como consumidores, acostumem-se em recorrer a um terceiro de confiança, ainda que estejamos em um mundo desmaterializado.
RECOMENDAÇÃO: Informar ao público em geral que os notários dominam perfeitamente o acesso à tecnologia.

2. Quem melhor que o notário pode ser esse terceiro de confiança, como jurista imparcial e independente e controlado a tal efeito pelo Estado há séculos; realiza assim a justiça voluntária, que brinda proteção a título preventivo de qualquer conflito.

3. Que graças a algumas cláusulas apropriadas e claras nos documentos que redige, o notário não deixa dúvida alguma quanto a sua aplicação e ao que responde às consequências desejadas pelas partes, conferindo a elas, desta forma, um título com valor probatório, tão importante na hora de demonstrar a propriedade, tanto imobiliária quanto mobiliária.

RECOMENDAÇÃO: promover a “titulação”, é dizer, permitir que qualquer pessoa tenha acesso à habitação e à terra, entregando-lhe um título de propriedade segura, visto que todos os indivíduos que não possuem um título não podem demonstrar a propriedade de seus bens.

4. Que os documentos emitidos pelos notários tenham força executiva semelhante a uma decisão de um tribunal de última instância, permitindo implementá-los sem a intervenção de um advogado nem de um tribunal, sempre que os documentos fornecidos possuírem sanções claras em caso de descumprimento dos compromissos assumidos por uma das partes.

RECOMENDAÇÃO: garantir que os documentos notariais possuam força executiva em todos os países da UINL

5. Que o notário de tipo latino se encarregue tanto dos trâmites prévios às escrituras quanto dosposteriores, como a transcrição ou inscrição das mesmas nos registros públicos. Graças à investigação prévia, aumentará a segurança jurídica dos documentos notariais e serão evitadas discussões e conflitos posteriores à escritura, assegurando-se desta forma uma missão de justiça preventiva.

6. Que durante a elaboração de um contrato, o notário tenha a obrigação de procurar um equilíbrio entre as partes. Assim, assume o seu papel social na sociedade, evita por todos os meios que os documentos contenham cláusulas abusivas, não colabora com uma parte escondida da outra, defende os interesses dos mais fracos, em especial de pessoas vulneráveis, e leva em conta o nível intelectual das partes.

RECOMENDAÇÃO: promover o papel social do notário e organizar uma campanha de comunicação dirigida ao público em geral.

7. Que o notário de tipo latino desempenhe um papel primordial de assessor e “mestre das leis”. Sua assessoria é uma parte inerente da chamada autenticação ativa de contratos e a remuneração do mesmo está incluída nas taxas cobradas de acordo com a tarifa alfandegária. Explicam-se às partes, o conteúdo e os motivos de cada cláusula, assim como suas consequências. O Notariado de cada Estado deve organizar uma jornada nacional de consulta gratuita a este respeito.

RECOMENDAÇÃO: Estabelecer um dia nacional de consulta em todos os países da UINL, se possível, na mesma data.

8. Que o usuário do serviço possa recorrer ao notário que escolher. Em princípio, é possível escolher livremente o seu notário, salvo nos casos expressamente previstos por lei (falências, vendas públicas). O usuário do serviço tem essa confiança, sabendo que o notário não só conhece a sua história familiar, como é obrigado a manter o sigilo e discrição.

9. Que o notário não só receba a formação jurídica adequada na universidade, obtendo um diploma em Direito e em seguida o diploma Superior de Notário na faculdade ou um certificado de aptidão para desempenhar as funções de um notário emitido por um centro de formação notarial, tudo isso seguido de um período de prática em um escritório notarial, além da obrigação de jornadas de estudo no âmbito da formação contínua. Assim, permanece necessariamente informado das últimas novidades no campo da legislação, da doutrina e da jurisprudência e mantém sua condição de jurista de alto nível, capaz de ajudar os utilizadores do serviço em todos os assuntos notariais.

RECOMENDAÇÃO: promover o acesso à Universidade do Notariado, eventualmente com a educação à distância no futuro (e-learning).

10. Que o notário é sujeito a regras rígidas de conduta, estabelecidas em um código nacional de ética que normalmente corresponde às normas do código estabelecido pela UINL.

RECOMENDAÇÃO: estabelecer nos países que não possuem um código de ética que sigam os padrões da UINL.

11. Que ao elaborar documentos corretos e completos, auxiliem de forma indireta os tribunais, evitando que surjam conflitos entre as partes. Seu campo de atividade engloba certos procedimentos judiciais (liquidações, vendas judiciais, etc.) que em alguns países são atribuídos diretamente aos notários. Desta forma, absorvem trabalho de juízes e contribuem para reduzir os procedimentos judiciais. O notariado está organizado para trabalhar com mais flexibilidade que os tribunais neste terreno, além de ser um especialista em mediação.

RECOMENDAÇÃO: aumentar os poderes do notariado do tipo latino em matéria de justiça, a fim de facilitar o trabalho dos tribunais.

12. Que os seus documentos tenham um valor econômico claro. Autenticidade é um valor econômico que só vai aumentar, especialmente no contexto da globalização da economia e do mercado em geral. Efetivamente, os conflitos comerciais desaceleram a dinâmica do desenvolvimento da sociedade e impedem as atividades empresariais.

RECOMENDAÇÃO: Organizar uma campanha de comunicação cujo objetivo consista em demonstrar a eficácia econômica dos documentos notariais.

13. Que, além disso, o notário é um agente e parceiro do Estado. Ele recolhe determinados impostos durante a autorização das escrituras. Ele tem a obrigação de comunicar os casos de lavagem de dinheiro ou crime organizado. E, em geral, faz essa ponte necessária entre o Estado e o cidadão. Conta assim com a confiança do Estado como um terceiro participante.

RECOMENDAÇÃO: Criar listas de indicadores de lavagem de dinheiro e crime organizado.

14. Que em alguns países, a atividade notarial se estenda ao Direito Público, ajudando o Estado, as comunidades territoriais e as instituições públicas na elaboração de contratos.

RECOMENDAÇÃO: Introduzir uma formação em matéria de Direito Público em universidades ou escolas do notariado.

15. Que em um contexto internacional, em virtude do aumento das relações transfronteiriças, sejam criadas redes de notários entre os distintos países com o objetivo de tratar das questões de Direito internacional privado. Desta forma, os notários se comunicariam mutuamente acerca de seus respectivos direitos nacionais. Algumas autoridades nacionais já admitem o trânsito de documentos fora de suas fronteiras e reconhecem o valor probatório de um documento estrangeiro e, se necessário, até mesmo a sua aplicabilidade.

RECOMENDAÇÃO: Reconhecer documentos notariais em um contexto internacional.

16. Que uma desregulamentação do serviço notarial possa ser nefasta para os cidadãos e as empresas. Causaria uma deterioração do serviço. Notários, então, trabalhariam com valores menores, proporcionando um serviço pior e deixando o caminho livre para uma grande competição. O “numerus regulatus” possui virtudes nada desprezíveis dentro de algumas tarifas fixadas pelo Estado. A desregulamentação mais avançada, que confere esses serviços a outras entidades, diminuiria a segurança jurídica. Esses terceiros não foram designados ou controlados pelo Estado ou por alguma das câmaras de disciplina, nem trabalham sob as regras restritas que permanecem. O notariado, que já existe há séculos, sempre conseguiu se adaptar a todas as mudanças culturais, econômicas, sociais e técnicas. O notário é o profissional ideal para evitar casos de documentos fraudulentos e lavagem de dinheiro em seu campo profissional. Além disso, o notariado é a profissão mais digital de todas as profissões jurídicas e há muito tempo adquiriu o costume de fazer uso de todas as novas tecnologias.

PARIS, 22 de outubro de 2016
Coordenadores internacionais: Natalia Perry Turbay (Colômbia) e Luc Weyts (Bélgica), notários

Fonte: CNB/CF | 27/12/2016.

____

Publicação: Portal do RI (Registro de Imóveis) | O Portal das informações notariais, registrais e imobiliárias!

Para acompanhar as notícias do Portal do RI, siga-nos no twitter, curta a nossa página no facebook, assine nosso boletim eletrônico (newsletter), diário e gratuito, ou cadastre-se em nosso site.

Deixe seu comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>