O TRIUNFO DA VIDA – Amilton Alvares




teamwork-1-1236470

Quando os socorristas chegaram aos escombros do avião da LaMia, na montanha colombiana, o placar da tragédia era terrível: 70 mortos x 7 sobreviventes. Algumas horas depois, a morte aumentou o placar para 71 x 6. Certamente Deus chorou diante da tragédia. Mas isso era apenas o primeiro tempo do jogo.

Inicialmente a comoção tomou conta do Brasil e da Colômbia; depois, as agências internacionais divulgaram a notícia e a comoção tomou conta do resto do mundo. A solidariedade brilhou como estrela no céu. Prevaleceu o amor. E um forte sentimento de fraternidade e valorização da vida se manifestou entre as nações. Deus mostrou a sua cara no mandamento – “Amai ao próximo como a ti mesmo”. Milhares de pessoas se irmanaram, povos se uniram em consternação e a Chapecoense se fez conhecida em vários continentes. A morte causou profunda tristeza, mas a palavra final passou a ser de Deus e do amor. Multidões se apresentaram na Arena Condá para receber os corpos e prestar a última homenagem às vítimas da tragédia. Milhares em amor e solidariedade x 71 mortes. O time da vida, enfim, reverteu o placar em cima do time da morte. Podemos dizer que Deus virou o jogo antes mesmo de terminar o primeiro tempo.

O milagre de Deus quase foi ofuscado diante da tragédia. A poderosa mão de Deus salvou seis vidas na queda do avião. Insondáveis são os mistérios de Deus, especialmente diante de uma tragédia de tamanha proporção e impacto no mundo. Deus poderia ter impedido a tragédia? Sim, mas em sua soberania não o fez, segundo seu propósito (Romanos 9:13-24). O roteiro da tragédia foi estabelecido pelo homem e Deus não fica o tempo todo interferindo nas escolhas humanas. Entretanto, nas catástrofes, Deus sempre está presente e presta socorro. Na Colômbia, Deus salvou milagrosamente seis pessoas. Afinal, quem mais poderia ter sustentado o corpo dos seis sobreviventes na queda do avião?!

Para compreender catástrofes, é bom ter em conta que o tempo desta vida é nada diante da eternidade. Diante dos insondáveis mistérios de Deus o que é esta vida? Guardadas as devidas proporções, esta vida é como um copo de água derramado no oceano da vida eterna. Na eternidade com Deus não haverá mais morte, nem choro, nem luto, nem dor. É possível que tenhamos a oportunidade de perguntar para Deus sobre as razões de certos desastres e tragédias. Acredito que Deus, pacientemente, explicará tudo, tintim por tintim. Jesus de Nazaré também estará lá para mostrar a marca dos cravos em suas mãos calejadas de sofrimento (João 20:19-31). Até lá, o nosso trabalho é confiar no Senhor e viver pela fé. Como Deus “fala” num hino cristão – “É meu somente meu todo o trabalho, e o seu trabalho é descansar em mim”. O justo viverá pela fé (Rm 1:17, Gl 3:11). É o que basta diante da tragédia e de qualquer circunstância nesta vida.

____

* O autor é Procurador da República aposentado, Oficial do 2º Registro de Imóveis, Títulos e Documentos e Civil de Pessoa Jurídica da Comarca de São José dos Campos/SP, colaborador do Portal do Registro de Imóveis (www.PORTALdoRI.com.br) e colunista do Boletim Eletrônico, diário e gratuito, do Portal do RI.

Como citar este devocional: ALVARES, Amilton. O TRIUNFO DA VIDA. Boletim Eletrônico do Portal do RI nº. 233/2016, de 12/12/2016. Disponível em http://www.portaldori.com.br/2016/12/12/o-triunfo-da-vida-amilton-alvares/ Acesso em XX/XX/XX, às XX:XX.

____

Publicação: Portal do RI (Registro de Imóveis) | O Portal das informações notariais, registrais e imobiliárias!

Para acompanhar as notícias do Portal do RI, siga-nos no twitter, curta a nossa página no facebook, assine nosso boletim eletrônico (newsletter), diário e gratuito, ou cadastre-se em nosso site.

2 Responses to “O TRIUNFO DA VIDA – Amilton Alvares”

  1. Dr. Hamilton gostei muito dessa reflexão , nos leva a pensar na nossa fragilidade diante da eternidade, só Deus tem o controle em suas mãos ! Muito bom!

    Responder

Deixe seu comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>