Divórcio judicial ou em cartório? Vantagens e desvantagens




Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE)[1], são realizados, em média, 260 mil divórcios a cada ano no Brasil.

Este número teve um significativo crescimento no início da década (eram pouco mais de 140 mil em 2009), tendo se estabilizado nos últimos anos. Coincidência ou não, tal aumento se iniciou juntamente com as modificações legislativas implementadas pela Lei do Divórcio Extrajudicial em 2007 e com a Emenda Constitucional 66/2010, que extinguiu a obrigatoriedade de prévia separação judicial.

Fato é que o divórcio está cada vez mais presente na vida das famílias brasileiras, e, ao se depararem com esta situação, surgem diversas dúvidas que atormentam a vida do casal em momento já tão delicado.

A legislação atual dá ao casal três opções: o divórcio consensual em cartório; o divórcio consensual judicial; e o divórcio litigioso judicial.

Divórcio Consensual

O mesmo levantamento do IBGE mostra que aproximadamente 65% dos divórcios realizados no país são consensuais, número que reflete o alto custo e grau de estresse que envolve a discussão litigiosa da questão.

O advogado militante da área de família sempre prezará por um bom acordo, que reflita o anseio de ambas as partes e que possa pacificar aquele delicado momento familiar. Entretanto, as partes deverão ter em mente que a opção consensual só poderá ser realizada diante da concordância em todos os pontos, em especial, quanto à partilha de bens, pensão entre os cônjuges e utilização do sobrenome.

Sempre que possível, é aconselhável que questões atinentes aos filhos, como guarda, visitação e pensão alimentícia constem do termo de acordo, entretanto, em caso de discordância, poderão ser objeto de ações próprias em momento oportuno.

Divórcio consensual extrajudicial (via cartório)

Hoje é possível realizar o divórcio sem a necessidade de acionar o Poder Judiciário. Dessa forma, evita-se aquele longo e tormentoso processo, com audiência de conciliação e petições a todo momento. Outro ponto benéfico é que a escritura do cartório possui a mesma validade e eficácia da sentença do juiz.

Todavia, tal procedimento somente será possível caso haja acordo entre os cônjuges e diante da inexistência de filhos menores ou incapazes.

Por ser um procedimento extrajudicial, trata-se de um meio menos burocrático e mais célere, sendo que, se os cônjuges não tiverem bens a partilhar, todo o trâmite poderá ser realizado em poucos dias.

É importante observar que, mesmo diante de tal procedimento menos burocrático, a assistência por advogado é requisito indispensável, exigência legal.

É comum alguns cartórios de notas não mencionarem esta exigência e indicarem um advogado para “assinar” a petição, embutindo os honorários do profissional no custo total do procedimento.

Tal conduta, além de irregular, pode prejudicar o interesse das partes. É sempre recomendável que os cônjuges procurem um advogado de sua confiança ou bem recomendado por parentes ou amigos para que este possa realizar a instrução adequada quantos aos direitos e deveres de cada um, da forma em que exige a boa ética profissional e a legislação vigente.

No caso de divórcios com partilha de bens, também é possível fazer o procedimento via cartório, mas o tempo para sua conclusão é mais longo, visto que será necessária a realização de procedimentos administrativos prévios, junto à Fazenda Estadual, para apuração de eventuais impostos. Dependendo da eficiência de cada Secretaria Fazendária, este prazo pode levar alguns meses.

Os custos para o procedimento cartorário são bem variáveis. Os divorciandos terão que arcar com os honorários contratuais de seus advogados, bem como com os emolumentos do cartório.

Tratando-se dos divórcios sem bens a partilhar, o custo é bem acessível e o procedimento é mais célere, tendo, na maior parte dos casos, excelente o custo/benefício.

Entretanto, quando envolver a partilha de bens o valor será cobrado sobre o valor do patrimônio partilhável, o que eleva consideravelmente o custo do procedimento, principalmente frente à postura dos cartórios de alguns estados (Minas Gerais, por exemplo) em considerar o valor individualizado de cada bem e não o valor global do patrimônio.

Apesar da previsão legal da possibilidade de gratuidade das custas cartorárias para aqueles que declararem esta necessidade, aquele que fizer este requerimento poderá encontrar forte resistência dos cartórios.

Divórcio consensual judicial

Seja pelo alto custo dos divórcios que envolvem partilha de bens ou pela maior facilidade em conseguir os benefícios da assistência jurídica gratuita, o divórcio consensual via Poder Judiciário acaba sendo a opção mais viável para boa parte dos casais.

Também será a via obrigatória para aqueles casais que possuam filhos menores e/ou incapazes, por expressa disposição legal e ante a obrigatória participação do Ministério Público na proteção de seus interesses.

Mesmo para os casais que não se enquadram nos requisitos para a gratuidade de justiça, os valores cobrados a título de custas judiciais nos processos de família costumam ser atrativos à escolha deste procedimento.

A desvantagem acaba sendo, como sempre, o tempo de demora nos processos judiciais que, dependendo da Comarca pode se arrastar por alguns longos meses. Entretanto, nas Comarcas em que as Varas de Família já são integralmente atendidas pelo Procedimento Judicial Eletrônico esse tempo tem diminuído consideravelmente.

Divórcio litigioso

Ante a inexistência de acordo entre as partes, a via litigiosa judicial se impõe.

Aqui trata-se de longo e tormentoso processo, com a necessidade de realização de audiência de conciliação, audiências com a presença do juiz, oitiva de testemunhas, provas documentais, submissão dos menores a entrevistas com psicólogos e assistentes sociais entre outros dissabores.

Os custos também são consideravelmente maiores, pois cada parte terá que arcar com os honorários de seus advogados, que, provavelmente, cobrará honorários mais altos, dado o grau de dificuldade e tempo demandado pelos processos litigiosos.

Além disso, questões como guarda e pensão alimentícia serão impostas pela decisão judicial, o que, quase sempre acaba desagradando ambas as partes.

A divisão patrimonial é mais complexa, podendo até mesmo ocorrer a venda compulsória de patrimônio para conseguir compor a meação de cada cônjuge.

Por fim, não devemos fechar os olhos ao fato de que o divórcio é sempre uma possibilidade no horizonte dos casais – e uma possibilidade cada vez mais comum. Tratar abertamente das questões patrimoniais e das obrigações de cada cônjuge ainda na constância da união é fundamental para que os envolvidos possam resolver da melhor forma possível as desavenças que ocorram.

A opção pelo divórcio consensual sempre será a melhor escolha, seja para manter a boa convivência na criação dos filhos em comum ou mesmo para reduzir os inevitáveis custos dos processos.

A assistência por advogado de confiança é extremamente importante e não deve ser vista como mais um custo a ser despendido, mas como gasto necessário à correta instrução e assessoramento das partes, o que, certamente, evitará problemas futuros e contribuirá para uma solução menos traumática.

Fonte: Anoreg/SP – JusBrasil-DF | 05/10/2017.

____

Publicação: Portal do RI (Registro de Imóveis) | O Portal das informações notariais, registrais e imobiliárias!

Para acompanhar as notícias do Portal do RI, siga-nos no twitter, curta a nossa página no facebook, assine nosso boletim eletrônico (newsletter), diário e gratuito, ou cadastre-se em nosso site.

Deixe seu comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>