Incra e IBGE qualificam informações cartográficas no Rio Grande do Sul




Nova estação ativa confere mais agilidade e exatidão a mapeamento via satélite

O mapeamento via satélite ganhou mais agilidade, precisão e economia no Rio Grande do Sul. Isso, porque no início do mês, o Incra e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) implantaram mais uma Estação Ativa de Coleta de Dados do Sistema de Navegação Global por Satélite (GNSS, na sigla em inglês). Esta é a sexta base em funcionamento e integra o banco de informações disponibilizado pelas duas entidades.

O chefe da Divisão de Ordenamento da Estrutura Fundiária do Incra/RS, Luis Renato Jasniewicz, explica que uma estação ativa GNSS funciona como ponto de referência, cujas coordenadas foram precisamente determinadas dentro de um sistema cartográfico. Sobre este local é instalado um receptor de sinais via satélite acoplado a retransmissores das informações empregadas pelos usuários para calcular o próprio posicionamento.

Desde 2006, o Incra e o IBGE unificaram suas redes de estações ativas por meio de termo de cooperação técnica, o que ampliou a capacidade de cobertura do território nacional. Cada unidade receptora passou a operar simultaneamente na Rede Incra de Bases Comunitárias (Ribac) e na Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo (RBMC), mantida pelo instituto parceiro.

O termo de cooperação incluiu a aquisição pelo Incra de conjuntos de equipamentos, cuja instalação, manutenção, monitoramento – e homologação dos dados -, estão a cargo do IBGE. Entidades regionais auxiliam o projeto assegurando espaço apropriado (alto e sem interferências), ponto de internet e fornecimento ininterrupto de energia elétrica para transmissão dos dados. Com a implantação da sexta unidade GNSS no Rio Grande do Sul,  a maior parte do perímetro estadual fica a menos de 200 quilômetros de uma base, atingindo a distância preconizada para a captação dos sinais em campo.

Jasniewicz também salienta que as novas estações operam no Sistema de Posicionamento Global (GPS, de origem norte-americana), no Sistema de Navegação Global por Satélite (Glonass, desenvolvido pela Rússia), entre outros. “Esta característica amplia a constelação de satélites conectados e facilita seu emprego pelos usuários”, salienta.

Acesso facilitado

“Quanto mais perto de uma estação ativa, menor o tempo, mais simples e mais baratos os instrumentos necessários para determinar as coordenadas do próprio posicionamento. Isso facilita atividades como o georreferenciamento de imóveis rurais”, observa a engenheira cartógrafa Gilda Dias, que acompanhou a instalação da base em Passo Fundo pelo Incra/RS.

No Rio Grande do Sul, as estações ativas situam-se em Porto Alegre (na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS), Cerro Largo (Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS), Capão do Leão (Universidade Federal de Pelotas – UFPel), Santa Maria (Universidade Federal de Santa Maria – UFSM), Alegrete (Fundação Universidade Federal do Pampa – Unipampa) e Passo Fundo (Universidade de Passo Fundo – UPF).

Os dados captados por qualquer uma das unidades ficam disponíveis aos usuários nos seguintes endereços eletrônicos: www.ribac.incra.gov.br e http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geodesia/rbmc/rbmc.shtm.

Fonte: Incra | 16/12/2016.

____

Publicação: Portal do RI (Registro de Imóveis) | O Portal das informações notariais, registrais e imobiliárias!

Para acompanhar as notícias do Portal do RI, siga-nos no twitter, curta a nossa página no facebook, assine nosso boletim eletrônico (newsletter), diário e gratuito, ou cadastre-se em nosso site.

Deixe seu comentário

XHTML: Você pode usar estas tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>